15 Características das Demonstrações Contábeis

Marcio Sanson
28/01/2020
Para garantir uma confiança contábil, foram definidas 15 Características das Demonstrações Contábeis. Conheça neste post.

 

Em 2008, o CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis definiu uma estrutura conceitual básica para a elaboração das  Demonstrações Contábeis com vários objetivos, entre eles destacamos a confiabilidade das informações.

Para garantir essa confiança contábil, foram definidas 15 Características das Demonstrações Contábeis. Conheça neste post!

 

Usuários das Demonstrações Contábeis

Antes, é importante que você conheça quem são os usuários internos e externos da Contabilidade na sua empresa:

  • Colaboradores
  • Governo
  • Fornecedores
  • Bancos
  • Sindicatos
  • Órgãos de classe
  • Clientes
  • Concorrentes
  • Investidores

 

Características das Demonstrações Contábeis

1. Regime de Competência das Demonstrações Contábeis

“são preparadas conforme o regime contábil de competência, …que informam aos usuários não somente sobre as transações passadas envolvendo o pagamento e recebimento de caixa ou outros recursos financeiros, mas também sobre as obrigações de pagamento no futuro e sobre os recursos que serão recebidos no futuro”.

 

2. Continuidade

“Demonstrações Contábeis são normalmente preparadas no pressuposto de que a entidade continuará em operação no futuro previsível”.

 

3. Compreensibilidade

As Demonstrações Contábeis precisam ser “prontamente entendidas pelos usuários”.

 

4. Relevância

“para serem úteis, as informações devem ser relevantes às necessidades dos usuários na tomada de decisões. As informações são relevantes quando podem influenciar as decisões econômicas dos usuários, ajudando-os a avaliar o impacto de eventos passados, presentes ou futuros ou confirmando ou corrigindo as suas avaliações anteriores”.

 

5. Materialidade

“uma informação é material se a sua omissão ou distorção puder influenciar as decisões econômicas dos usuários, tomadas com base nas demonstrações contábeis”.

 

6. Confiabilidade

“deve estar livre de erros ou vieses relevantes e representar adequadamente aquilo que se propõe a representar”.

 

7. Representação adequada

“a informação deve representar adequadamente as transações e outros eventos que ela diz representar”.


 

8. Primazia da essência sobre a forma

“para que a informação represente adequadamente as transações e outros eventos que ela se propõe a representar, é necessário que essas transações e eventos sejam contabilizados e apresentados de acordo com a sua substância e realidade econômica, e não meramente sua forma legal”.

 

9. Neutralidade

“a informação contida nas demonstrações contábeis de ser neutra, isto é, imparcial”.

 

10. Prudência

“consiste no emprego de um certo grau de precaução no exercício dos julgamentos necessários às estimativas em certas condições de incerteza, no sentido de que ativos ou receitas não sejam superestimados e que passivos ou despesas não sejam subestimados”.

 

11. Integridade

A informação deve ser completa, “dentro dos limites de materialidade e custo”.

 

12. Comparabilidade

“os usuários devem poder comparar as demonstrações contábeis de uma entidade ao longo do tempo, a fim de identificar tendências na sua posição patrimonial e financeira e no seu desempenho”.

 

13. Tempestividade

“quando há demora indevida na divulgação de uma informação é possível que ela perca sua relevância”.

 

14. Equilíbrio entre custo e benefício

“é uma limitação de ordem prática, ao invés de uma característica qualitativa. Os benefícios decorrentes da informação devem exceder o custo de produzi-la”.

 

15. Equilíbrio entre características qualitativas

“atingir um equilíbrio apropriado entre as características, a fim de satisfazer aos objetivos das demonstrações contábeis. A importância relativa das características em diferentes casos é uma questão de julgamento profissional”.