O que é shelfware?

Cintia Tombolato
04/06/2019
Por que sua empresa precisa tomar cuidado com shelfware na hora de comprar um ERP. Mas, o que é shelfware? Como evita-lo com 4 dicas.

Direto ao ponto, o que é shelfware?

Termo utilizado para gastos com tecnologia nunca ou mal utilizada. Pode ser aplicado a qualquer software.

Exemplos:

  • O software se torna shelfware quando é comprado por capricho.
  • É adquirido por causa de um grande desconto.
  • Ou para atender uma necessidade futura, mas que nunca chega.
  • Desenvolver / Customizar um software, sendo que já existem ferramentas no mercado que atendem aquelas especificações

Tudo isso é desperdício de dinheiro! É como comprar uma casa na praia e nunca ir…

 

O problema do shelfware

Definitivamente os empresários e sócios não querem gastar dinheiro em tecnologia que não é utilizada por seus colaboradores. Porém, até mesmo empresa super bem gerenciadas caem na armadilha do “software de prateleira” ou comprado/instalado pela internet. Saiba mais no vídeo Como comprar Sistema de Gestão e o ciclo de vida da Implantação.

Shelfware pode se tornar um problema quando os usuários saem de uma organização ou param de usar um aplicativo, mas a organização continua a pagar pela licença do software.

Uma pesquisa da Flexera Software descobriu que 93% das empresas sofrem com shelfware, enquanto mais de 1/3 gasta pelo menos 21% de seu orçamento com softwares negligenciados. Há casos, de empresas que não sabem qual software possui ou como seus usuários o utilizam nas tarefas do dia a dia.

Não rastrear os ativos corporativos pode levar a um shelfware, um problema que muita PME experimenta com o software em nuvem. O shelfware de Software como Serviço – SaaS geralmente ocorre quando a aquisição é feita sem a supervisão ou conhecimento de um profissional ou equipe de TI.


Como evitar shelfware com 4 dicas

Felizmente, tem como evitar o shelfware. Aqui estão 4 táticas para ajuda-lo:

  1. Compreenda as causas
    Pode ser a compra de mais licenças do que precisam, sistema atendia processos antigos e não é aderente a nova realidade da empresa, super provisionar as necessidades, etc.
  2. Gerencie seus ativos tecnológicos
    “Ter um TI” que trabalhe mais perto das linhas de negócios. Ou seja, que entenda os processos e busque soluções com recursos que não se sobreponham ou que não atendam as necessidades existentes.
  3. Encerre ou renegocie seus contratos de software
    Mapeie seus processos. Com os dados de uso em mãos, uma empresa pode negociar contratos no momento da renovação para aumentar o número de licenças que eles realmente precisam, dizem especialistas do setor.
  4. Tenha um Gerente de Projeto e promova a adoção do sistema entre os colaboradores
    Tenha um líder do projeto que conheça e seja muito bem treinado, tanto nos seus processos internos, quanto nas funcionalidades do sistema utilizado. Promova que seus novos colaboradores sejam capacitados no uso do software para que não fiquem desmotivados em realizar suas tarefas, por que não entendem o que executam.